Páginas

sexta-feira, 1 de maio de 2009

O QUE VOCÊ QUER SER
QUANDO CRESCER?






"Não se pode deixar de sonhar. Se não tivermos sonhos, como vamos torná-los realidade?"
#
José Araújo
#
#
Luísa era casada há muitos anos, tinha dois filhos, Marisa sua filha de 20 anos e Joãozinho de apenas quatro anos de idade e eles eram a alegria do casal. Antes de se casar, ela trabalhava fora e estudava. Quando ela se casou não foi diferente até a chegada de sua primeira filha, mas quando ela completou seis anos de idade, ela resolveu por bem para de trabalhar e se dedicar ao lar, ao marido e sua filha. O tempo passou, sua vida era cuidar dos afazeres domésticos que tomavam seu dia inteiro e ela dividia seu tempo entre eles e cuidar de Marisa enquanto ainda era pequena. Seu marido trabalhava muito. O serviço dele exigia um período maior de sua ausência em casa e Luísa sentia-se por vezes, mesmo sem perceber, um tanto só e desmotivada, sentindo um vazio enorme dentro de si, coisa que por mais que ela tentasse, não conseguia descobrir exatamente o que causava aquela desagradável sensação. A rotina e monotonia em que vivia, mesmo sem que ela percebesse, a estava deixando transtornada ao longo dos anos sem ter noção disto. Apesar de cansada, física e emocionalmente, ela jamais se deixou esmorecer, nem transparecer o que a incomodava tão profundamente a ponto de não conseguir ter uma boa noite de sono.
#
Quando Marisa tinha 16 anos, chegou Joãozinho. Ele veio para a alegria de todos na família. Depois que ele nasceu, Luísa teve carga dobrada de responsabilidades e deveres a cumprir. Ela sempre foi uma mãe e uma esposa exemplar, uma pessoa que não era capaz de colocar nenhum de seus interesses pessoais em primeiro lugar. Tudo que ela fazia era em prol unicamente de sua família. Assim, atendendo somente as necessidades dos outros, esquecendo-se das dela, como não poderia deixar de acontecer, com o passar dos anos, sua falta de motivação chegou a um ponto que ela acabou por achar, que viver aquela vida era seu destino, que ser uma boa mãe, esposa e dona de casa era só que ela podia fazer na vida e nada mais. Em seus pensamentos, para ela não havia outro futuro, a não ser terminar seus dias assim. Como ela, há milhões de pessoas neste mundo, homens e mulheres, que acham que a certa altura, tem que se conformar com a vida que se leva e deixar de lado os seus sonhos, seus anseios e aspirações. Perdem a noção do verdadeiro significado da palavra esperança e vão definhando por dentro e muitas vezes, quem está ao lado destas pessoas, mesmo notando diferenças de comportamentos nelas, não tem sensibilidade para compreender o que acontece em seus corações.
#
Contudo, a vida é uma escola e muitas vezes nos surpreendemos com os professores que ela usa para nos ensinar a viver. Na manhã do dia das mães, Luísa tinha acabado de dar banho em Joãozinho, que na época estava com apenas quatro anos de idade. Enquanto ela o enxugava, ele não parava de falar enquanto fazia caretas por ela estar secando seus cabelos. Como todas as crianças na idade dele, de vez em quando ele a bombardeava com perguntas e muitas vezes ela era pega de surpresa pela questão e demorava um pouco a responder. Naquele dia muito especial ele lhe fez uma pergunta que iria mudar totalmente a sua vida. Em dado momento, ele segurou a mão dela para que parasse de esfregar a toalha em seus cabelos e olhando seriamente em seus olhos, ele perguntou o que ela queria ser quando crescesse. Meio que sem prestar a devida atenção à pergunta que ele tinha feito, Luísa imaginou que ele poderia estar querendo brincar de algum jogo de palavras e respondeu sem pensar, que gostaria que quando ela crescesse, pudesse ser uma mãe. Com um olhar reprovador, Joãozinho balançou a cabeça com um ar sério e disse que ela não podia.
#
Quando ela perguntou por que não poderia, ele respondeu que era porque ela já era uma e refez a mesma pergunta de novo. Mãe, o que você quer ser quando crescer? Pela segunda vez ela respondeu a ele, dizendo que talvez ela pudesse ser uma esposa e uma boa dona de casa. De novo ele disse que ela não podia ser porque já era uma. Um tanto desconcertada, ela disse a seu pequeno filho que sendo assim, ela não tinha a menor idéia do que mais poderia ser. Foi então que ele colocou suas duas mãozinhas em seus ombros, e olhando bem dentro dos olhos dela, de uma maneira que nunca tinha feito antes e disse que era simples responder. Que ela deveria apenas dizer sinceramente, o que ela queria ser quando crescesse, porque ela poderia ser, qualquer coisa que ela quisesse ser. Com lágrimas nos olhos, emocionada pela experiência vivida naqueles poucos momentos, ela não conseguiu responder. Joãozinho já estava seco e vestido quando a conversa chegou e este ponto e quando viu que a mãe estava demorando muito a responder, saiu do banheiro sem olhar para trás dizendo que ir ver TV.
#
Foi uma experiência que durou no máximo 5 minutos, mas tocou no mais fundo de seu ser e, isto aconteceu, por causa da maneira como ele lhe fez a pergunta. Pela esperança que ela viu claramente em seu olhar de que ela respondesse o que ele tanto queria ouvir. Parada, ainda com a toalha úmida em suas mãos, ela refletiu sobre sua vida, sobre a maneira como ela vivia, dedicando-se unicamente ao marido, aos filhos, à sua casa. Aquela pergunta feita de uma maneira tão simples e tão natural a fez enxergar que apesar da idade, a qualquer tempo, qualquer um de nós pode ser o que quiser. Naqueles momentos de reflexão, causada pela pergunta feita por um garotinho de quatro anos de idade, ela soube do fundo de seu coração, que apesar de até então ela ter se considerado uma mulher feliz pela vida que levava, com um marido honesto, que a amava do jeito dele, tendo filhos lindos, com saúde e que a amavam muito, ela tinha esquecido dela mesma. Que com a dificuldade da vida, com a luta para manter a casa em ordem, os filhos bem tratados e educados, ainda fazendo o que podia para que quando seu marido chegasse cansado do trabalho pudesse descansar em paz, ela se esqueceu de sonhar, de fazer planos para o futuro.
#
Mas depois do que aconteceu, ela verdadeiramente passou a acreditar que ainda era tempo para ela ser o que quisesse ser sua vida. Nos pequeninos olhos de seu filho ela pode ver que seu futuro não estava resumido no que ela fazia, mesmo sendo com muito amor e carinho. Lá, naquele brilho de olhar, enquanto ele lhe fez aquela pergunta, ela pode ver que ainda podia sonhar e até mesmo tocar as estrelas do céu se assim fosse seu desejo. Luísa sentiu dentro de seu coração, que se ela quisesse, ela poderia mesmo ser ainda, qualquer coisa que desejasse. Uma cantora, uma atriz, uma expert em medicina nuclear, uma trapezista de circo. Qualquer coisa que ela quisesse de verdade. Era só querer e correr atrás da realização de seus sonhos. Finalmente, graças a Joãozinho e sua inocência, ela descobriu que por detrás de seu olhar carinhoso de mãe e esposa, ainda havia muitos sonhos e muita coisa para ser na vida, além de ser a mãe, esposa e dona de casa impecável que sempre foi.
#
A beleza real daqueles momentos mágicos vividos ao lado de seu filho, seu pequeno professor, foi quando ela percebeu que ele, em toda a sua inocência e honestidade infantil, poderia ter feito a aquela mesma pergunta, a qualquer outra pessoa que estivesse com ele. Envolvida pelo encantamento da descoberta de que mesmo "crescida" ela ainda podia ser o que quisesse na vida, enquanto lágrimas da mais pura emoção corriam livres de seus olhos, ela disse a si mesma, que a velha mulher que um dia no futuro ela ainda ia ser, iria ser muito diferente da mulher que ela tinha sido até então. A outra mulher, a verdadeira Luísa, que estava apenas escondida por trás do olhar meigo e carinhoso de uma mãe, esposa e dona de casa, que acima de tudo era um ser humano que tinha sonhos e anseios de realização pessoal, estava apenas começando a sair de seu esconderijo naquele momento.
#
Ela pegou a toalha, pendurou no suporte ao lado da pia do banheiro, parou em frente ao espelho, sorriu e perguntou a si mesma:
#
E então Luísa? O que você quer ser quando crescer?
#
Naquele dia das mães, apesar de ter recebido como sempre os presentes, beijos e abraços dos filhos, do marido e dos amigos, o maior presente que ela pode receber em toda a sua vida, foi aquela pergunta que Joãozinho lhe fez.
#
Quando crescemos, muitas vezes nos deixamos levar pelas circunstâncias da vida, de tudo que nos rodeia, sejam responsabilidades ou obrigações e acabamos por esquecer que quando éramos pequenos, sempre havia alguém para nos fazer a mesma pergunta que Joãozinho fez à sua mãe. A grosso modo, ela até nos parece uma pergunta banal, tão comum, mas na verdade, mesmo esquecida em nossas mentes, ela esta presente em nosso subconsciente por toda a vida, à espera de que em algum momento como aquele em que ela viveu com seu filho, a gente acorde para a realidade de que sempre é tempo de sonhar, de correr atrás da realização de nossos sonhos, para que possamos alcançar nossa realização pessoal.
#
Ser mãe é uma coisa mais do que especial, é uma dádiva de Deus, mas não se pode esquecer de que a qualquer tempo na vida, não importa qual seja a nossa idade, ou quais sejam as nossas responsabilidades, deveres ou obrigações, e até mesmo sob certas circunstâncias não muito favoráveis, ainda podemos ser na vida, tudo aquilo que quisermos ser.
#
#
Autor: José Araújo

20 comentários:

ISAULINA disse...

É José Araujo mais uma vez eu fico muito emocionada amigo, porque ser mãe é a coisa mais especial que pode acontecer na vida de uma mulher
Eu não tive esta sorte de ser mãe
Porque me casei com um homem que me prometeu fazer me feliz mais a historia foi outra, depois de casada a alguns anos ele me disse que não queria filhos ele nunca me deu a chance de ter um filho, agora meu amigo eu tenho 48 anos e não sei se poderia ainda ter um filho, eu gostaria muito de ser mãe mais não com ele rsrs
Olha amigo se eu falasse a minha vida toda para você eu teria que fazer um livro rsrs eu sou uma pessoa muito feliz porque isto esta dentro de mim, mais se eu não estivesse esta felicidade dentro de mim, talvez eu era uma mulher depressiva, sem animo e doente, mais eu não me deixo abater porque eu me amo, eu dou muito valor a minha vida, e pesso a Deus todos os dias e todos os instante para me dar força para suportar tudo o que eu passo e Deus tem me ouvido muito porque só ele mesmo para me dar força, e eu amigo também estou lutando para ser o que eu quero ser e não vou desistir de lutar por nada deste mundo e tenho a certeza que Deus esta preparando alguma coisa maravilhosa para mim!! E quando acontecer você vai ser o primeiro a saber porque esta felicidade eu faço questão de dividir com você, Eu pretendo ser mãe sim mais com o meu marido não porque ele ficou impotente por causa das drogas e também contraiu epatite c cronica então eu jamais poderia ter filho com ele
Mais eu pretendo sim ter um filho ainda, mais agora não amigo porque eu não penso em trair ele
não Apesar de tudo o que passo e a vida que levo eu ainda me mantenho fiel, fiel porque ele me deu um nome e também me valorizo né amigo eu não vou sair por ai fazendo filho kkkkkk mais eu sou assim amigo uma mulher feliz com a vida cheia de amor e carinho para dar rsrs E feliz daquele homem que me ter no futuro kkkkkk porque o meu marido ja esta se matando né
Todos os dias fumando maconha e ainda com esta doença maldita que não tem cura ele esta se matando com as proprias mãos amigo
Olha amigo eu não sei se eu poderia escrever isso aqui mais se não pode você pode apagar ok!
Mais eu estou colocando para fora tudo isso la do fundo do meu coração E isto também amigo é como um desabafo me desculpa ok! se eu estou falando o que não deveria falar mais é a mais pura realidade, ele não quer ajuda ele quer mesmo se matar porque cometendo uma loucura dessa!
Olha amigo eu te pesso mil desculpa ok! Por esta falando isso aqui mais se não é propicio pode apagar eu não vou me chatear não
Mais eu não achava outra maneira de te falar E eu te pesso que se você tiver alguma palavra para me ajudar me fale em depoimento por favor, porque eu tenho recebido muitos depoimento de ajuda sobre este assunto, Eu até tenho uma pessoa que me ama muito e deseja muito ter um filho comigo e esta pessoa me ama muito, só amigo que eu sou casada e não posso cometer adulterio eu sou fiél enquanto ele estiver vivo jamais eu posso cometer esta loucura kkkkkkk
Eu não amo o meu marido de tanto ele fazer eu sofrer, as humilhações que ele me causou me deixou marcas profundas mais mesmo assim eu ha respeito e sou fiel
não amo ele mais respeito, eu tenho dó dele pelas loucuras que cometeu e comete ainda mais amar eu não amo porque não me respeitou, não me deu valor, eu sendo uma mulher digna mulher caseira responsavél no lar e ele sempre me humilhando e desfazendo da minha pessoa, agora ele se encontra nesta situação impotente com epatite c cronica e ainda acelerando a propria morte
José Araujo eu aqui termino sem mais palavras porque se não eu vou ocupar o espaço todo kkkkkkkk
Você esta de parabéns amigo porque me ajuda muito muitissimo as suas reflexões são de muita ajuda para mim! Obrigada amigo beijo desta tua amiga que te ama muito

mdb disse...

José querido, que presente de dias das mães em? Você parece que lê a alma das pessoas ou melhor de uma mãe que tem todo direito de sonhar.
Toda mulher tinha que ter um filho ou filha como o Joãozinho, pois ouvir uma pergunta como a que ele fez, é acordar quem esqueceu que tem o direito de sonhar e correr atrás de seu sonho. Não importando a idade ou qualquer outra coisa.Viver é a melhor coisa, mas viver realizado em tudo é o máximo que podemos nos dar. No entanto nós mesmo criamos entraves pela vida a fora. É o tal de comodismo. Por isso ficamos sempre sem motivações para correr atrás dos sonhos. Eu acho que é covardia com a gente mesmo. A Luísa é um exemplo. Precisou do filho dar o alerta para ela acordar. Mas também tem pessoas que no egoísmo, acaba neutralizando quem vive ao seu lado, achando que não precisa de mais nada. Já está realizado e esquece que ali pulsa um coração que ninguém consegue penetrar para sentir como vive. Geralmente escondendo os desejos mais puros e simples que são deixado de lado por mera resignação.
Temos que aprender que, cada ser humano é único e ninguém pode viver sua vida e seus sonhos. Sonhar e lutar pelo sonho é o que move a vida, pois sem sonhos e sem lutar por eles, morremos antes da hora.
José, você arrasou mais uma vez! Eu tenho um joãozinho em minha vida.rsrs
Beijos meu anjo amigo e irmão!
Marilene Dias

Sweet Melody disse...

Maravilhoso seu conto José.
Parabéns!!!
Um lindo presente sem dúvida para o dia das mães.
Creio que todas as mães que tiverem o prazer de poder ler teu texto se sentirão agraciadas.
Passei pelo teu fotoblog tbm.
Muito lindo e de muito bom gosto.
Grande abraço
Sweet

Nara disse...

Parabéns, José, tenho certeza que muitas mulheres se sentirão a própria Luíza e, depois da leitura do seu conto mudarão sua maneira de encarar a vida. Pois, não é pelo fato de sermos mães, e a maioria, esposas, que não podemos ir à luta em busca de nossos sonhos e da nossa realização profissional.
Muito bom, José, pois através da leitura de seus contos, tenho acompanhado a sua evolução como homem das letras, pois a cada conto dá pra perceber o seu crescimento como escritor.
Parabéns, amigo!
Que Deus continue abençoando sua vida.
Beijos.

Deinha disse...

Meu amigo qdo lhe pedi para fazer uma homenagem as mães não imaginava que faria uma tão linda como essa!Como sempre você me surpreendeu!

Continue sempre escrevendo maravilhosamente!

Beijos

Ana M. Thomás Schiavonne disse...

Você me fez lembrar que um dia me fizeram esta mesma pergunta e eu respondi com muita certeza de que queria ser uma médica pediatra.
O tempo passou, larguei a faculdade para cuidar dos filhos, de meu marido e da casa e hoje, já avó de 4 netos, me olhei no espelho e me fiz esta mesma pergunta.
Ana, o que você quer ser quando crescer?
Obrigada por me fazer ver com seu lindo conto que a vida não se resume ao que eu fui até hoje, que ainda é tempo para que eu possa realizar meu sonho!
Obrigada, mil vezes obrigada, pois eu já não tinha animo para mais nada.
Eu achava que para mim não havia esperanças, vivi até o presente momento para o os outros e não me arrependo, mas agora, vou ser a mulher que sempre desejei ser e por circunstâncias da vida eu a escondi atrás da Ana mãe, esposa e avó.
Que Deus o proteja e ilumine para que possa sempre nos passar mensagens lindas como o fez neste conto sem igual.
Vou ler todos os seus outros contos porque sei que ainda tenho muito a prender e lendo o que você escreve, coisas tão lindas e verdadeiras, a gente só pode crescer.

Beijos José Araújo e mais uma vez obrigada por me tirar da cegueira em que eu vivi até hoje!

Terônio Varelli Jr disse...

Que demais!
Tem gente que nasce para transmitir paz, luz, certeza de que viver vale a pena e que para isto, só é preciso fazer acontecer!
Parabéns!

Abração e meus votos de uma boa semana!

Vania Célia D. Bonaventura disse...

Vim ler o seu conto por indicação de uma amiga que por sua vez soube por outra amiga nossa deste tesouro que é o seu Blog!
Fiquei encantada, me emocionei, chorei e o melhor de tudo, descobri que por detrás da mãe, esposa e dona de casa que sou há mais de 30 anos, ainda existe uma pessoa que tem sonhos, que quer buscar sua realização pessoal.
Nada mais gratificante do que encontrar escritores como você, que falam sobre a vida em todos os seus aspectos e que nos trazem com suas palavras coisas que esperamos ouvir de quem esta ao nosso redor, mas infelizmente isto não acontece.
No seu caso, lendo tudo que você publicou aqui, Deus lhe deu algo a mais que aos outros escritores.
Você enxerga a vida com o ela é e como ela age em nossas vidas.
Você estava certo quando escreveu que a vida é uma escola e que muitas vezes usa professores que a gente nem imagina existirem.
Que a graça de Deus esteja sempre com você!
Receba um abraço carinhoso da mulher que sempre esteve escondida dentro de mim por todos estes anos e que vai ser a velha mulher que um dia eu vou ser, muito diferente daquela que eu fui até este preciso momento.
Quem dera muitas e muitas outras pessoas pudessem ler este conto e todos os outros aqui publicados, pois tenho certeza de juntos, faríamos deste mundo um lugar melhor para se viver.

Sebastião S. Ravena disse...

Pois é José!
Realmente você tem algo que é quase indecifrável. Chega mesmo a ser um mistério dificil de ser compreendido.
Como você consegue enxergar tão a fundo os nossos sentimentos?
Como sabe que eu por exemplo, apesar de bem sucedido nos mundos dos negócios, tenho vivido para os outros e me esqueci de mim?
Quando li o título de seu conto, foi como se eu estivesse voltando no tempo, para quando eu tinha 6 anos de idade e minha primeira professora me fez esta mesma pergunta.
O tempo passou, me casei, tive filhos, tive que trabalhar duro para manter a familia e hoje, mesmo com a estabilidade financeira que consegui a duras penas, de alguma forma, a mesma pergunta veio à minha mente após ler o seu conto e eu descobri que ainda é tempo para eu ser o que quero ser na vida.
Segunda feira, vou correr atrás dos meus sonhos, vou voltar a estudar e tenho certeza de que o desanimo, a falta de motivação para continuar após os meus 56 anos vai desaparecer por completo.
Um novo horizonte surgiu em minha vida e é para lá que eu vou e graças a você José Araújo.
Do mais fundo de meu coração deixo aqui o meu muito obrigado!
Um abraço sincero e agradecido a você!

Neise Magalhães disse...

Espetacular!
Parabéns mesmo!
Adorei seu Blog, já li alguns contos mas vou voltar pois tudo é maravilhoso aqui!

Bjs!

Sofia Newman disse...

Já tinha me esquecido do que eu quero ser quando crescer...
Obrigado por me lembrar!

Adorei cada palavra!


Beijo doce pra você!

Efigênia Coutinho disse...

"O QUE VOCÊ QUER SERQUANDO CRESCER?"

Jose Araujo , muito bom seu texto, serei uma seguidora deste espaço cultural, com admiração,
Efigênia Coutinho

Sonia Gimenes Galvão disse...

Hoje as mães mais jovens já tem uma linha de pensamentos diferente das mães de minha época e já não sofrem tanto as consequencias da indiferença por parte dos maridos e filhos quanto ao fato de serem seres humanos normais, com sonhos e aspirações que na sua grande maioria ficavam ocultos, invisiveis aos olhos e corações insensiveis das pessoas que as rodeavam. Contudo, é de suma importancia que muitas mães que ainda hoje são ignoradas como mulheres e seres humanos e tem seus sonhos reprimidos o tempo todo.
Parabéns ao escritor que ao que pude perceber lendo outros contos, conhece a fundo os sentimentos humanos o que é raro neste mundo!

Tania Maria Soares Murta disse...

Parebéns pelo conto único e tão humanitário!

Rosa Maria Marques disse...

Qual mãe não tem seus sonhos, seus anseios, seus desejos próprios?
O que acontece ainda hoje é que elas se dão de corpo e alma à familia e acabam sendo esquecidas como mulheres que são!
Ser mãe sim, mas ser uma pessoa literalmente obrigada a esquecer-se de si mesma em prol de marido e filhos não é justo!
Ninguem pode viver a vida de ninguem e sonhos são humanos, não são algo caracteristico só de homem ou mulher.
Bárbaro seu conto e seu conceito de vida José Araújo!

Estela Cordeiro disse...

A Sonia me falou sobre seu conto e vim conferir esta maravilha!
Amei tudo que você escreveu e parecia que em cada linha você estava falando de mim!
QUe Deuste proteja porque você é unico!

LU MATHIAS disse...

Olá meu querido, você sempre nos apresentando essas perolas tão lindas e emocionantes mais uma vêz parabens, eu não tenho escrito muito lá no blog por conta do meu probleminha mas venho aqui também agrdecer seu apoio e por me ter enviado aquele link, está sendo de grande ajuda...
Muito sucesso e bjus no seu coração...
Bjus... LUiza...

Lice Soares disse...

"... seu filho, seu pequeno professor..." Ah, quantas vezes constatei e ainda constato esta verdade... Parabéns pelo texto. Muito bom.
Um grande abraço.

O mar me encanta completamente... disse...

A beleza sóbria
(que aqui encontro)
me alimentará por alguns dias...
E voltarei, te ler
é um prazer crescente.

Beijinho

Mariza Helena Machado disse...

Muito bom terminar a noite com um belo texto. Obrigada por compartilhar seu dom. Abraços