Páginas

sábado, 28 de junho de 2008

PARÁBOLAS DE UMA VIDA...




Lá estava ele, o orgulhoso Bule de Chá, orgulhoso se si mesmo, orgulhoso de ser feito de porcelana, orgulhoso de seu bico longo, orgulhoso de sua alça larga e grossa, para garantir seu manuseio, com toda segurança. Ele tinha algo de que muito se orgulhava em sua frente e algo em suas costas e ele falava com veemência sobre isto, contudo, ele não falava sobre sua tampa, pois ela tinha uma rachadura que havia sido reparada por alguém, mas o serviço não havia sido bem feito e ela podia ser vista a olho nu, por qualquer um. Ele em seu todo era muito bonito, mas tinha um pequeno defeito e não gostava de falar sobre isto, mas os outros, com certeza falavam e certamente, mais do que deviam. As xícaras, os pires, o pote de manteiga e o de açúcar, as colheres e as facas de pão, quando olhavam para ele, a primeira coisa que lembravam, era do defeito de sua tampa e o Bule de Chá sabia disto, ele conhecia todos muito bem e dizia a si mesmo, que ele tinha plena consciência disto e que ele sabia que em sua tampa rachada, que ele carregava sobre si, estavam estampadas sua modéstia, sua humildade, coisa que nenhum dos outros compreendia.
#
Todos nós temos defeitos, mas também, cada um de nós, sem exceção, tem seus talentos, tem virtudes, é questão de sensibilidade de quem nos olha, para poder enxerga-los. Ele falava consigo mentalmente, que às xícaras foi dado uma alça, ao pote de açúcar uma tampa e que a ele, foram dados ambos, mas uma coisa ele tinha que não foi dada a nenhum dos outros em sua criação. Ele tinha um bico, e isto, fazia dele o Rei da mesa de chá. O pote de açúcar e a manteigueira, tiveram a sorte de terem sido feitos artesanalmente e tinham seu valor como obra de arte, mas era ele quem fazia a infusão das mais aromáticas folhas para preparar o chá, ele era o provedor do sabor e do aroma, que davam o prazer e o encanto da hora do chá. Era ele que transformava as folhas através de água fervente e sem sabor, na maravilha que tanto agradava o paladar dos humanos, trazendo momentos únicos de puro deleite, ao degustarem gota por gota a benção que ele lhes trazia através do chá. Isto tudo, mesmo que só mentalmente, foi dito a si mesmo, naquele momento, no auge de sua juventude, pelo Bule de Chá.
#
Então um dia, num momento comum, de uma mesa de chá, ele foi levantado pelas mais delicadas mãos, as mãos de uma criança, mas estas mãos estavam trêmulas e ele caiu. Seu bico quebrou, sua alça se espatifou em pedaços e sua tampa, bem, de sua tampa, os outros componentes da mesa de chá já haviam falado o bastante, não é necessário mencionar. E lá estava ele, o Bule de Chá, caído no chão, em meio a uma poça, com o liquido precioso, escorrendo sem parar. Ele recebeu uma grande pancada ao cair, mas a mais dura e dolorosa pancada, foi que todos os outros, riram dele, não das mãos delicadas e trêmulas, que o deixaram cair. “Minha memória eu nunca perderei” disse o Bule de Chá a si mesmo uns tempos depois, enquanto reflexivo, relembrava a trajetória de sua vida. Depois do acidente, ele foi chamado de inválido, de inútil e imprestável, colocado num canto qualquer, até que foi dado a uma velha mulher, que passou na porta da casa, pedindo esmolas, ou qualquer coisa, de que não mais precisassem.
#
Naquele momento, sentindo-se rejeitado, humilhado, lá ele se foi, mudo, sem palavras, tanto por dentro quanto por fora, tamanha sua decepção. Mas naquele momento, uma vida melhor estava começando para ele depois do desastre que aconteceu. Na vida, de uma coisa, a gente se torna outra, no decorrer de nossa jornada. Quando a velha mulher chegou em sua casa, terra foi jogada dentro do Bule de Chá e para um Bule, é o mesmo que se ele fosse enterrado, mas no meio da terra, foi colocado um bulbo de uma flor. Quem o colocou lá ele não sabe, ele não viu, mas naquele momento, ele estava começando a receber a compensação pelas perdas que sofreu, dentre elas, as mais importantes, foram a perda de seu status de Rei da mesa de chá e a perda de seu bico e de sua alça. Dentro dele, no meio da terra fértil, o bulbo se tornou seu coração e ele nunca havia tido um igual, pois este tinha vida que pulsava mostrando que estava vivo. Então, dentro do Bule de Chá, mais uma vez havia vida, mas desta vez, com muito mais força, com mais vitalidade e o bulbo de flor pulsava, até que um dia, um broto nasceu. Ele havia acabado de vir ao mundo e estava cheio de emoções, envolto em muitos pensamentos, na ânsia de viver e num belo dia ele floresceu e o melhor de tudo, o Bule de Chá que viu isto acontecer, ele esqueceu-se de seus tormentos, de sua tristeza, encantado com a beleza da flor.
#
Ele estava tão radiante com aquele momento que depois de muito tempo, sem falar nada, nem a si mesmo, ele disse em voz alta, que não há maior benção divina, do esquecer de si mesmo e de todos os problemas, contemplando o milagre da vida. A flor fez que não ouviu. Ela não agradeceu, ela não pensava nele, afinal era admirada, ela era reverenciada, não precisava dele, mas ele, ele estava feliz, e não é difícil imaginar, quão feliz ele deve ter sido. Algum tempo depois, o Bule de Chá, já velho, aleijado e cansado, ouviu alguém dizer que a flor era tão linda, que merecia outro vaso melhor. Ele não tinha um coração de verdade, mas era como se tivesse, pois ele se partiu em dois, no momento em que isto aconteceu. Não demorou muito, tiraram a flor e a terra de dentro do velho Bule de Chá e a replantaram num vaso novo e resplandecente. O velho Bule de Chá, quebrado, inválido, com um corpo feio e marcado pelas rugas causadas por sua porcelana que rachou, foi jogado no cesto do lixo, cujo lixo, foi levado pelo lixeiro, que por sua vez, o despejou num lixão.
#
Mas esta estória não acaba por aqui, porque mesmo enterrado, sob toneladas de lixo, como qualquer outra coisa inútil e imprestável na vida, ele estava feliz, porque dizia a si mesmo, com toda a convicção, que poderiam tirar qualquer coisa dele, como o fizeram durante toda a sua vida, mas a sua memória não, ela era a única em que ninguém iria colocar a mão, portanto ela, sendo imortal, seria sempre dele, a única coisa, que ele nunca iria perder.
#
O Bule de Chá, feito da mais fina porcelana, desde seus dias de glória em sua juventude, até a rejeição e abandono final em sua velhice, teve uma dura, mas encantadora caminhada em sua jornada pelos caminhos da vida, e no final das contas, ele nada mais fez, do que nos mostrar com sua saga, criada pela mente do escritor, que tudo que aconteceu, nada mais é, do que uma verdadeira e profunda reflexão sobre o fato, de que até mesmo os destinos das coisas e dos objetos, muitas vezes são como se fossem, parábolas de uma vida.
#
#
Autor: José Araújo
#
#
Fotografia: Simplicidade
#
Fotografo: José Araújo
#
Acervo pessoal de 2006









31 comentários:

Nara Maria disse...

Lindíssima parábola, meu amigo! Mais uma vez fiquei extasiada lendo seu texto, inebriada pelas palavras que vc, sabiamente e melhor do que ninguém, sabe usar com maestria tocando o mais íntimo de nosso ser. "Parábolas de uma vida" [parabéns pelo título tb!] nos leva a meditar sobre nossos preconceitos que existem de uma maneira velada, mas existem.
Parabéns, meu escritor preferido!

Gloria Meirelles disse...

Querido José, mais uma vez você me leva às lagrimas de tanta emoção! Que lindo este conto meu amigo! O título é mais do que adequado ao texto que tem uma propriedade imensa nos dias de hoje meu amigo!
As pessoas quando jovens, não pensam do futuro, em sua velhice e muitas vezes se acham melhores do que as outras e sempre apontam os defeitos delas como meio de auto-promoção. Seu Bule de Chá, um personagem dos mais maravilhosos que você criou, me levou a recordar tantas coisas que já aconteceram em minha vida e isto não tem preço José! Amo o que você escreve porque em seus textos há sempre uma mensagem de luz! Parabéns meu escritor querido e amado! Que Deus te dê cada vez mais inspiração para iluminar nossas vidas com seus contos e reflexões! Um beijo querido e tenha uma ótima semana!
Sua amiga,
Gloria Meirelles

Oswaldo Meirelles disse...

Caro José, semana passada eu estive mais uma vez ausente por questão de negócios, mas hoje eu não poderia deixar de prestigiar um amigo especial como você! Lindo seu conto como disse a Gloria, mas a beleza dele não seria nada sem a beleza de sua alma meu amigo! Para alguns, é muito fácil e comodo enxergar somente os defeitos das outras pessoas e pecam por não conhecerem o que há de bom nelas.
Este é mais um de seus contos dignos de serem divulgados pela mídia por todo o país! Congratulações pelo talento, pela sensibilidade que em você é algo muito especial!
Seu amigo verdadeiro e sincero,
Oswaldo Meirelles

Edson Santos disse...

Que lido José! Chorei lendo seu conto pois a emoção tomou conta de mim enquanto eu viajava na narração dos acontecimentos da vida do Bule de Chá! Quantas vezes não sofri porque as pessoas só apontavam meus defeitos meu amigo! Quantas e quantas vezes sonhei que alguem de quem eu gosto muito visse meu outro lado, que compreendesse que todos nós temos defeitos, mas que muitas vezes uma única qualidade supera de longes nossas falhas! Lindo demais José! Você como sempre tocando coração da gente de uma maneira que só você faz! Te amo meu amigo e escritor do coração!

Flavio Militello disse...

Com que propriedade você escreve caro José! É sempre um prazer ler seus textos e depois refletir sobre o assunto abordado neles! Esta semana, mais uma vez você se superou! O ser humano tem tendência a enxergar só os defeitos, mas são as qualidades, por menores que sejam, que fazem a gente se sentir bem ao lado de quem as tem! Você é muito especial garoto! Continue sempre assim!
Abração José, com todo respeito, admiração pelo escritor impar que você é, do amigo de sempre,
Flávio Militello

Ataide Alencar Morgado disse...

Escritor, fotógrafo amador, homem simples, dono de um coração de ouro e de uma alma que é dificil acreditar que existe, este é você meu amigo! Mais uma vez venho lhe prestar minhas homenagens pela sua capacidade intelectual e pela sua sensibilidade fora de série José! "Parábolas de uma vida..." Que dizer deste conto, senão que é perfeito?
Este é mais um que meus amigos irão levar para sala de aula para discutir com os alunos!
Como sempre você é perfeito!
Abração desde amigo, mesmo que virtual, mas que te adora e admira demais!

Bruno disse...

pai me desculpe por ter colocado outro comentário é porque eu esqueci de corrigir



oi papai eu gostei do seu texto por que ele fala sobre um bule de chá que não gostava de seu unico defeito, todos o persebiam ao olhar até que colocaram o bulbo de uma flor que para ele era um coração e assim foi se passando o tempo e de pouco a pouco foi ficando velho com a pele toda enrugada (rachada)o seu dono percebeu que o bule não iria mais servilo então o jogou no lixo e acabou debaixo do lixão e mesmo debaixo de todo aquele lixo estava feliz pois foi muito util para o seu dono agora que esta debaixo do lixo tem certeza que ninguém iria toca-lo

bBJOS papai adorei o seu texto

zeze disse...

LINDISSIMA PARÁBOLA, SÓ UMA PESSOA COMO VC, DE UMA SENSIBILIDADE SEM TAMANHO, PODERIA NOS LEVAR A REFLEXÃO... PARABÉNS E CONTINUE A FAZER AS PESSOAS VIAJAREM NO SEU (EU)..
BOA SORTE HOJE E SEMPRE... BJSSS..

mdb disse...

Muito interessante o texto e ótimo, Jose.

Serve de lição para nós humanos, por que na vida nada é para sempre.Nela tem altos e baixos. Só temos que ter sabedoria e humildade para vier e daber com dignidade acolher o que vem para nós.
Não temos o direito de querer reinar o tempo todo pois a vida é uma roleta que não para.
O bule era orgulhoso por sua beleza, mas não gostava de comentar seu único defeito a tampa, que não foi bem restaurada, o serviço deixou a desejar. E aquilo o incomodava.

Assim somos nós humanos, só queremos apresentar o que temos de bom, mas o que é ruim procuramos escnder. Mas um dia ven à tona.
Quando o bule teve sua segunda infelicidade, parecia que era o fim. Foi rejeitado, para a função que exercia ele não tinha mais condições.
Mas não é que foi parar num lar humilde e onde até um coração pulsar nele. Quando isso passaria por sua memória? Nunca. E acabou desenvolvendo um papel tão bom que o coração não tinha mais condições de morar num bule, que já estava pequeno. E assim ele acabou de completar com dignidade sua missão nesta vida de bule.

Assim somos nós humanos, não viemos só com um propósito e sim com vãrios. Basta termos a sencibilidade de saber lidar com muita sabedoria,tudo que chega até nós.
Jose meu querido obrigada pela oprtunidade e a grandeza de poder ser sua amiga fiel.Beijos.
Marilene Dias.

Anônimo disse...

José, boa noite!
Adorei o tema e degustei calmamente as palavras. Sua sensibilidade, sempre me comove. Você a cada dia me surpreende e já deixei claro a admiração que nutro por seus trabalhos.
PARÁBOLAS DE UMA VIDA trouxe ao meu coração lembranças esquecidas. A vida nada mais é do que a somatória de momentos. Que aprendamos a extrair sabedoria de cada um, aceitando nossas limitações e convivendo com as diferenças, sem arrogância.
O bule de chá tipifica orgulho. Quanto intacto menosprezava a tampa ferida e descartada.
E jamais poderia imaginar que um dia seria apenas um vaso comum, improvisado para receber um bulbo, que mais tarde o abandonaria pelos motivos narrados no texto.
A lição que você transmitiu com muita clareza e nuances de sensibilidade deixa evidente que não devemos manter qualquer espécie de discriminação, com quem quer que seja, ainda que possamos estar em situação altamente privilegiada.
A própria existência acabará por demonstrar mais à frente o final.
Parabéns pela exposição delicada
e pela beleza velada ...
Curvo-me diante do meu escritor preferido ...

Nadja disse...

Que lindo, adoro quando vc escreve por parábolas, é bom viajar na sua imaginação e embarcar no seu pensamento.
Vc descreve emoções como inveja, preconceito, determinação e aceitação como ninguém. Quantas vezes o brilho de alguém ofusca a vaidade do outro e para amenizar essa inveja, os defeitos e falhas dessa pessoa são colocados em evidência, como se fosse necessário diminuir o brilho de alguém para sermos notados. Infelizmente deparamos com isso diariamente, com a idade chegando, aquele nosso brilho e beleza da juventude é obrigado a dar lugar a outras qualidades, que precisamos fazer aflorar para não cairmos no esquecimento, para que não sejamos jogados no lixão da vida, sem utilizade, sem nenhuma serventia, como se ficassemos cada vez mais desnecessários até nos tormarmos invisíveis, mesmo com tantos a nossa volta. Assim nosso lado bule de chá tão bem narrado por vc, nos leva a refletir sobre tudo que já vivemos e ainda teremos pela frente.
Parabéns, vc tem uma capacidade de surpreender seus leitores de uma forma inexplicável, quando achamos que já lemos o melhor, vc tira uma preciosidade dessas da manga e nos deixa boquiarbertos. Sensacional maninho.

Eliane disse...

Seria como navegar em aguas passadas, trazendo á tona todo sentimento, simplicidade, humildade, coisas pequeninas que nos eternecem por toda vida..
Atos e fatos que acontecem conosco a cada segundo, a cada dia, percebemos talvez um pouco tarde demais , mas temos a hombriedade de recolhecermos que esses preconceitos tolos, são por vezes causados por nós mesmos..
Um bule de chá..
Parabens! Adoro tudo que tu rediges, escreves com alma,isso é raro.
Grande abraço.
Eliane

Alvaro Garcia disse...

Mal posso esperar pela próxima semana! Já faz tempo que acompanho você José, semana, após semana, sempre esperando pelo seu próximo texto e a cada um que você publica, eu sempre acho que é o melhor! Impossivel ficar ser ler teus contos que nos trazem tanta paz de espirito meu caro amigo! Talento você tem de sobra, mas sensibilidade, quando Deus a distribuiu na Terra, deixou quase tudo na sua mão! Maravilhoso o Bule de Chá e a Parábola que voc~e criou tão bem elaborada! Existem muitos como os componentes da mesa de chá, mas como o Bule, eles só vão aprender quando tiveram andado bastante pelos caminhos da vida! Parabéns pela imaginação fértil de um escritor de sonhos que você é! Abração de seu amigo de sempre,
Alvaro Garcia

Anônimo disse...

Cara, cada vez que leio um conto seu, tenho certeza de que vou me emocionar! Lendo este então, pensei muito em meu velho pai que já se foi. Ele lutou tanto na vida, sempre tiraram dele quase tudo que lhe era sagrado, mas no dia em que morreu, havia um sorriso em seus lábios quando me disse com uma voz fraca e tremula, que tudo que lhe sobrou na vida, foram suas lembranças e graças a elas, ela estava partindo feliz. Não posso continuar, ele me faz muita falta.
Beijo meu amigo!
Amo você!

Eduardo Santos disse...

Cara, cada vez que leio um conto seu, tenho certeza de que vou me emocionar! Lendo este então, pensei muito em meu velho pai que já se foi. Ele lutou tanto na vida, sempre tiraram dele quase tudo que lhe era sagrado, mas no dia em que morreu, havia um sorriso em seus lábios quando me disse com uma voz fraca e tremula, que tudo que lhe sobrou na vida, foram suas lembranças e graças a elas, ela estava partindo feliz. Não posso continuar, ele me faz muita falta.
Beijo meu amigo!
Amo você!

Eder Giacomini disse...

Raros momento de paz e reflexão é o que encontro ao entrar em seu Blog José e saiba que nada tem me dado mais prazer do que ler seus contos, pois em geral, tem muito conteudo que só nos faz crescer! Parabens como sempre, pois Parábolas de uma Vida, é muito mais do que um simples conto, é uma lição de vida! Beijão! Adoro você! Teu fã, Eder Giacomini

Anônimo disse...

Parábolas de uma vida. Quantas vidas este Bule de Chá representa meu amigo! Em algum momento na trajetória da vida dele, todos nós podemos nos identificar! Cada vez admiro mais seu poder de rasciocínio, sempre direcionado para o bem! Admiro muito deu caráter, sua personalidade, sua inteligência e sensibilidade! quem dera pelo menos uma parte da humanidade reunisse em si suas qualidades José! Sei que você náo é perfeito, que provavelmente tem em algum lugar um pequeno defeito, mas seja ele qual for, suas qualidade certamente o superam. Leio e releio este conto e a cada leitura, relembro algo guardado dentro de mim que se relaciona com algum trecho da estória. Posso até cair num lugar comum, mas que mais posso dizer, senão meus parabéns!
Muita sorte em seus caminhos caro amigo, é o que lhe deseja este teu fã declarado, Artur Magalhães Herrera

Rogerio Rojo Dela Paz disse...

Simplicidade, clareza, leveza, suavidade, sensibilidade e luz!
Você é tudo isto e muito mais!
Deus de a você e toda sua familia, toda a felicidade deste mundo!
Parabéns pelo sucesso e muita paz!

Beto Silveira disse...

Para um escritor brasileiro, que escreve temas direcionados à reflexão e que consegue cativar tantos fãs na Internet, só falta mesmo ter um livro publicado com uma seleção de suas jóias banhadas de luz!
Perfeito! Parábolas de uma vida é sem dúvida nenhuma um textos mais reflexivos que já lí!
Siga seu caminho José Araújo, não olhe para trás, pois seu futuro é estar na lista dos Best Sellers do genero que você escreve!
Abraços!

Ivanir Almeida disse...

Mais uma obra prima, fruto de uma mente previgeliaga que Deus pôs no mundo para nos mostrar o caminho em direção à luz e este caminho José Araújo, é o da reflexão!

Parabens meu autor e escritor tão querido!

Douglas disse...

Querido AMIGO!!! Você tem um DOM, que admiro muito, consegue tocar o coração de seus amigos e seus leitores com singelas palavras, sendo sábio em seus detalhes... Nossa vida e como um bule de chá, basta os primeiros sinais da maturidade para que pessoas insensíveis comecem a nos colocar defeitos, pensando que eles serão sempre belos e jovens... Sei que estou envelhecendo e já não tenho mais a mesma beleza de antes, o importante que mesmo velho... estarão guardadas em meu coração lembranças que enquanto jovem realizei boa parte dos meus sonhos, conheci pessoas que me amaram, que eu amei, que pude ajudar, que me ajudaram, lembranças que jamais se apagarão. Obrigado mais uma vez meu AMIGO,obrigado por fazer parte da minha vida, grande beijo em seu coração!

Jihab Kumar disse...

Hi friend! I`m Jihab from India! I saw your link and here I am to say that You are my best friend in Brazil! I know Your book has ben launched there and I wissh You Good look my Dear! Kisses in You heart and send a scrap my friend! I miss You so much!

Malik Kumar disse...

My brother Jihab says that You are a great man in Your country and that You are a writer too, so I want that You Know that I wish that You could come here and show us Your book! I know that people here will love to have You with us! Have a nice day Mr. Jose Araujo! Congratulations for Your successes as a writer! Hugs for You from Malik Kumar!

Amira Kumar disse...

My brothers are enchanted for You Mr.! You can be a great man! They say that people of You country love You and I wish to be your friend too! Great pics You have here! Amira Kumar, sister of Jihab and Malik. My true respect for the great and good man that You are!

Sergio N. Carvalhais disse...

Há muitas coisas e objetos neste mundo que tem em seu destino muitas parábolas de uma vida e você com seu telento e inspiração mágica, nos trouxe um Bule de chá cuja existencia se assemelha muito à do meu querido pai que já se foi.
Você me trouxe lembranças de tempos dificeis de nossas vidas, mas tambem reviveu com intensidade em meu coração a historia de meu pai. Parabens pela sensibilidade e inteligencia impar meu amigo!
Abração!

Wellington H. Cardoso disse...

Nesta vida existem muitos tipos de personalidades na mente dos homens, mas nunca encontrei ninguem que fosse nem ao menos parecido com você! É maravilhoso ler e ver o quanto as pessoas gostam de voce e te admiram pelo carater, pelo carisma que emana de ti! Ler seus textos é sempre um grande prazer, mas o melhor de tudo é ter a chance através deles, de refletir sobre nós mesmos e sobre o mundo à nossa volta!

Bom fim de semana!

Helio da Mata Rodrigues disse...

Suavidade, sensatez, romantismo, fé e consciencia sobre os fatos da vida, são assim seus textos que me fazem muito bem!

Clovis Zellermajer disse...

Nada como ler textos de alta qualidade, com conteúdo, num mundo onde a literatura tem nos trazido muito sobre sexo doentio, sobre violencia e brutalidade.
Que voce se mantenha nesta linha de publicações para todo o sempre, porque assim como eu, muitos outros precisam de momentos mágicos em sua vida e eu meu amigo, econtrei vário lendo seus contos.
Um abraço do amigo sincero de sempre!

Quando precisar, é só chamar!

Beijão!

Laura Batista disse...

Não sou boa para escrever, mas sou boa com sentimentos, assim te digo do fundo do coração, que amei seu Blog, tão cheio de mensagens boas, para fazer da vida da gente um pouco melhor!

Beijos!

Isadora Novais disse...

Como disse uma de suas amiga que comentou esta postagem, eu tabem digo o mesmo, me curvo a você Jose Araujo!
Obrigada por me proporcionar momentos lindos lendo seus contos tão cheios de luz!

Beijos!

Sua fã, Isadora!

ana disse...

Q Deus der para você e sua familia, toda felicidade do mundo com muita paz, harmonia,carinho q vc merece, com seu dom abençõado por Deus faça muito sucesso!!

lindíssima parábola!
Parabens!

sucesso sempre!!!!