Páginas

domingo, 19 de outubro de 2008

EM BUSCA DA VERDADEIRA LUZ...




Já passavam das 15 horas.
Maria até aquele momento ela estava às voltas com os afazeres domésticos. Ainda de pijama, ela usava um de seus preferidos. Ela gostava de se sentir à vontade e confortável. Estava usando um que era bem batido e surrado. Cabelos sem pentear, juntados para cima e presos por uma “piranha”, enfim, ela estava exatamente como se tivesse acabado de se levantar. Naquele momento exato, ela estava embaixo da cama de seu quarto, procurando uma fivela que havia desaparecido no dia anterior, e ninguém havia encontrado. O que ela nem podia imaginar, é que aquele dia seria decisivo em sua vida e a mudança que estava para acontecer, jamais havia passado por sua cabeça. Seria algo que para ela, nem em sonhos era possível acontecer. Enquanto ela se arrastava embaixo da cama, tentando encontrar o que procurava, a porta do quarto se abriu. Rodrigo seu marido ao entrar, se depara com apenas os pés de Maria para fora e ele não acredita no que esta vendo. Ele chama por ela e ao ouvir sua voz, Maria levanta a cabeça, batendo-a com força na madeira da cama. Ela estava tão absorta no que estava fazendo, ao ouvir seu marido a chamar seu nome, se esqueceu que estava deitada debaixo dela. Apressada, ela se arrasta para fora, passando a mão na cabeça pela dor causada pela pancada e vê Rodrigo em pé, no meio do quarto, impecavelmente vestido como sempre. Ele estava como se tivesse sido petrificado pela visão da imagem com que Maria se apresentava naquela hora já avançada do dia. Seu marido tinha passado para almoçar em casa, pois estava próximo e havia perdido o horário normal de almoço no restaurante da empresa. Sua agenda que era sempre cheia, muitas vezes exigia que ficasse sem almoçar, podendo apenas se alimentar direito, quando chegava em casa à noite.
#
Maria se levanta do chão, ajeitando a parte de cima de seu pijama, todo torto e amarrotado em seu corpo. A poeira que havia se impregnado nele quando ela se enfiou debaixo da cama, era uma visão degradante. Ela olha para Rodrigo nos olhos e diz com um sorriso lago, que iria correr para preparar algo para ele comer. Ela sabia que ele só passava em casa durante o dia, quando tinha chance de estar por perto e poder almoçar. Porém com um ar sombrio e distante, Rodrigo diz a ela que não precisava se preocupar. Que ele esta sem fome e que na verdade, eles precisam conversar sobre um assunto muito sério, e que aquele momento era o ideal. Ele pediu que ela sentasse na cama, enquanto ele andava pelo quarto de um lado, para o outro. Maria ficou apreensiva, mas afinal em 20 anos de casamento, com dois filhos, de vez em quando tinham que conversar a sério sobre alguns problemas, mas logo tudo se resolvia sem maiores transtornos. Foi então que Rodrigo parou de andar pelo quarto. Voltando-se para Maria, ele se aproximou dela e ainda em pé, disse que a iria deixar. Maria ao ouvir a frase em que ele dizia que iria deixa-la, respondeu imediatamente que ele não poderia ir, não sem antes almoçar, mesmo que tivessem que discutir o tal assunto sério mais tarde, mas ele precisava se alimentar. Ela sempre foi a esposa que fazia de tudo para a família e não media esforços para ter certeza de que todos sem exceção, estivessem sempre bem cuidados, era seu maior prazer na vida. Para Maria, a possibilidade de Rodrigo deixa-la não existia e por isto, ela não assimilou imediatamente o sentido do que ele havia dito naquele momento. Rodrigo determinado que estava, repetiu em alto e bom tom, que iria deixa-la, mas desta vez, acrescentou que iria pegar suas roupas para fazer as malas.
#
Sem mais delongas ele se dirigiu a porta do guarda roupas do casal e enquanto o fazia, disse que iria se mudar para a casa de alguns amigos, até que pudesse arranjar um apartamento só para ele. Ao chegar em frente à porta do guarda roupa ele a abriu e pegando suas roupas, Rodrigo virou-se para Maria , dizendo que depois viria buscar seus pertences pessoais. Com tristeza em seu olhar, ele disse que aquela decisão já havia sido protelada por muito tempo. Que ele já não mais poderia aguentar viver com ela sob o mesmo teto, não suportava mais estar ao lado dela nas circunstancias em que ela mesma os havia colocado. Maria que estava sentada à beira da cama, levantou-se lentamente e sentiu como se o chão houvesse desaparecido debaixo de seus pés e teve que se sentar novamente. Ela sentiu no fundo de sua alma, que seu mundo a partir daquele instante, havia se tornado um abismo sem fim. Ela ficou sem palavras. Um grito de dor queria escapar de sua garganta, mas ele ficou amarrado, entalado em sua garganta, sem poder ecoar pelos ares, sem poder fazer com que o mundo inteiro ouvisse sua voz e seu grito de desespero. Ela ficou imóvel. Totalmente paralisada.
#
Em frente aos seus olhos, ela viu passar as imagens de seu casamento, dos anos que viveram juntos, do nascimento de seus filhos, da alegria que tiveram com a chagada deles, da segurança e estabilidade que ela tinha ao lado dele, e tudo isto, só fazia com que ela quisesse morrer naquele momento. Ela precisava desesperadamente de um buraco para se esconder. Queria desaparecer deste mundo, para não sofrer tanta dor. Rodrigo com os olhos cheios de lágrimas, sem nenhum gesto de carinho, virou as costas, já com as malas na mão, saiu sem dizer mais nada e fechou a porta atrás dele, tomando outro rumo na vida. Um rumo diferente daquele que Maria tinha certeza de sabia qual era, até aquele momento decisivo na vida dos dois. Ao ouvir o som da porta se fechando atrás de Rodrigo, Maria caiu em prantos. Seu choro se arrastou por longos e dolorosos momentos, até que quase sem forças, ela se levantou e foi até o banheiro. Ela queria passar um pouco de água no rosto para ver se melhorava, pois estava se sentindo fria, gélida como um corpo sem vida. A imagem dela refletida no espelho, mostrando olhos vermelhos de tanto chorar, cabelos que mais pareciam um esfregão velho e sujo, pois já nem mesmo estavam totalmente presos pela “piranha”, já que no decorrer dos acontecimentos, eles foram se soltando a ermo. Do jeito que ela estava naquele momento, mais parecia um fantasma. Ela se sentiu totalmente arrasada, acabada, sem razão de existir. Sentiu como se fosse um trapo velho e inútil que foi jogado no lixo, depois de ter sido usado o suficiente. Um objeto qualquer que já não tinha mais serventia para nada, nem para ninguém. Ela se desesperou mais ainda, ao ver no reflexo do espelho a sua imagem.
#
Entre seus dentes, ainda havia pedacinhos de amoras pretas, que ela havia comido alguns momentos antes de Rodrigo chegar. Ao ver sua própria imagem naquele estado, instantaneamente, uma emoção que ela não conhecia antes, fez com que ela compreendesse e sentisse o peso, as proporções e as consequências, tanto das atitudes dela para consigo mesma, quanto das de Rodrigo. Seu pranto de desespero se tornou um misto de gargalhas e de soluços. Um misto de emoções e um turbilhão de lembranças e recordações a invadiu. Naqueles instantes, no meio de tantos sentimentos e sensações, ela sentiu como se estivesse no olho de um furacão, esperando passar a calmaria do epicentro, para encarar o pior. Maria passou por momentos que foram muito difíceis de serem superados para que ela conseguisse reagir e continuar vivendo. Dias e noites se passaram, foram longos e longos meses de adaptação tanto para Maria, quanto para Rodrigo, pois uma vida nova se apresentou aos dois e eles tiveram que carregar com eles as feridas, que só mesmo o tempo poderia curar. Como tinha que ser, um dia Rodrigo encontrou outro amor e ele se casou com Flávia. Ela tinha a mesma idade de Maria, mas tinha uma outra visão do mundo e da vida, e eles viveram muito felizes. Rodrigo teve outros filhos com Flávia, que cuidava de tudo e de todos na casa deles e ainda trabalhava fora, mas acima de tudo, cuidava dela mesma, para que ela pudesse estar sempre se sentindo bem consigo mesma, pronta e impecável para se apresentar aos olhos das outras pessoas e de Rodrigo, que a admirava pelo seu amor próprio e pela maneira com que ela encarava a vida e tudo mais ao seu redor. A personalidade de Flavia, fez com que ele fosse sempre louco por ela e ano após ano, este amor foi sendo cultivado, alimentado e nutrido pelos dois, para que fosse duradouro e eles viveram assim, pelo resto de suas vidas.
#
Maria por sua vez, que havia ficado com a guarda das crianças, havia conseguido um emprego, coisa que ela nem se lembrava mais como era, mas sentiu-se renovada, com novas energias, dona de si mesma, responsável por seus próprios passos, consciente de suas responsabilidades. A mudança para ela veio gradativamente, mas com uma força e uma profundidade imensa. Ela tinha agora consciência real de suas necessidades pessoais e responsabilidades para consigo mesma. A nova Maria, sempre arranjava um tempo, mesmo que um tanto forçado, para cuidar de si mesma. Cabeleireiro, manicure, massagista, sauna, descanso, relaxamento, entre outras palavras que não existiam em seu dicionário, se tornaram palavras de ordem em sua vida. Chegou a um ponto, que quando era definitivamente impossível ir a um profissional da área de estética para que cuidasse dela, ela mesma fazia seu cabelo e suas unhas. Nunca mais em sua vida, Maria saiu do banheiro ao se levantar pela manhã, com cara de lençol amassado permanecendo assim o resto do dia. Ela jogou todos os seus pijamas velhos fora. Comprou novas roupas de dormir de acordo com a moda do momento, macios, confortáveis e de cores alegres e quando se olhava no espelho, ela gostava daquilo que via. Sua autoestima renasceu e ela passou a se amar em primeiro lugar.
#
Depois de algum tempo, Maria encontrou Otávio, ele passou a admira-la pela sua capacidade de discernir as coisas da vida e por seu senso de valorização de si mesma. Ela estava sempre em boa forma, sempre alinhada e por pior que fossem as circunstancias que se apresentassem; ela nunca perdia a classe, nem a disposição, ela se tornou uma mulher admirável e desejada. Sua luz interna que antes vivia apagada, agora iluminava a tudo e a todos que a rodeavam. Como não poderia ser diferente; Maria e Otávio se apaixonaram. Eles se casaram, mas ela jamais abandonou seu emprego, pois amava o que fazia e tinha planos para o futuro de sua carreira. Ela cuidava de tudo e de todos, fazia de sua vida um verdadeiro jogo de equilíbrios para dar conta de tudo, mas dela mesma, nunca mais esqueceu-se de cuidar. Ela aprendeu que para amar e ser amada, é preciso acima de tudo, gostar de si mesma e não inverter os valores num relacionamento. Finalmente, ela compreendeu que não se pode viver bem e feliz, esquecendo-se de si mesma em prol dos outros, pois o resultado é sempre desastroso. Sua vida mudou literalmente porque ela aprendeu sentindo na própria pele, que efetivamente só perde quem leva a vida, em função da vida dos outros, e literalmente, se esquece de viver sua própria vida.
#
Para que possamos amar e sermos amados, para que possamos estar felizes e contentes com quem somos, com nosso verdadeiro "eu", primeiro temos que aprender a gostar de nós mesmos, só assim vamos poder ser e fazer as outras pessoas felizes.
#
Dentro de cada um de nós há uma centelha que precisa ser alimentada e quando ela se acende, sua luz é tão poderosa, que todos que estiverem à nossa volta, vão querer ficar ao nosso lado.
#
No fundo de nossos corações, há uma busca constante e infinita, pela direção e o caminho certo, que possa nos levar à verdadeira luz.
#
Por via de regra, constantemente procuramos em todos os lugares imagináveis e inimagináveis, sem encontrar este caminho. Tentamos e tentamos, mas esquecemos de procurar no lugar mais importante de todos, aquele que está sempre ao nosso alcance, esquecemos de procurar dentro de nós mesmos.
#
Encontrar este caminho, ou não, só depende de nós e, se não aprendermos a procurar no lugar certo, ficaremos eternamente, em busca da verdadeira Luz...
#
Autor: José Araújo













24 comentários:

Renatito disse...

Meu Nobre Amigo, José Araújo... Mais uma vez vc nos brindou com um conto maravilhoso, uma história que retrata muitas pessoas que convivem ou não conosco... Isso prova sua sensibilidade de compreender como o ser humano se sente em determinados momentos da vida!!! Continue assim, nos presentando com mensagens de otimismo e nos fazendo ter ainda mais: Amor Próprio!!!!
Que Deus continue te abençoando com este dom!!!!
Abs
Renato

mdb disse...

Este texto é muito bom ,pertinente e rotineiro pois, todos os dias tem Maria sendo abandonada, porque o marido cansou dela. As suas virtudes para ele, eram simplesmente horríveis. Porque Maria só vivia para a família, esquecendo-se de si mesmo e isso perante ao marido era imperdoável.
Para aprendermos às vezes temos que perder muita coisa, que só o tempo encaixará no devido lugar.Separação hoje em dia, é um mal necessário, principalmente para a mulher. Pois a liberdade é o maior presente apesar de custar a reconhecer.
Tenho certeza que Maria depois que caiu na real, sentiu-se muito mais feliz. Aprendeu a se amar e valorizar-se e com isso tornou-se uma mulher bonita,atraente e feliz.
Chegando a amar de novo mas, sem torna-se aquela Maria escrava de si mesmo.
Eu falo por mim, tem separação que no início parece o fim do mundo, pois as responsabilidades caem sempre nas costas da mulher. Mas o tempo passa tão ligeiro que acabamos e agradecendo a separação. É um alívio pois, deixamos de ser babás e todos cooperam unidos e vivendo um tipo de liberdade com responsabilidade. Maria venceu e Rodrigo também só que ele arrumou uma mulher pronta e com isso ele tinha que se preocupar sempre, para manter a união. Já Maria sabia dar as cartas e não iria ser aquela boba de antes pois, aprendeu a se amar profundamente.
José amei o texto e é como dizem agora a fila anda.
Beijos de alegria por você estar bem e escrevendo coisas maravilhosas, meu autor e escritor preferido. Da amiga que lhe ama muito,
Marilene Dias

veraparizmedeiros disse...

OLÁ AMIGO...QUE MARAVILHA E QUE LIÇÃO.É O QUE REALMENTE PRECISAMOS. DEIXAR ESSA LUZ VIR DE DENTRO.E PARA ISSO TEMOS QUE NOS AMAR PRIMEIRO ANTES DE AMAR AO OUTRO.
ACHO SIM FUNDAMENTAL ESTARMOS BEM POR DENTRO E POR FORA.NÃO ADIANTA FINGIR QUE ESTAMOS BEM PARA OS OUTROS,CUIDARMOS DELES ESQUECERMOS DE NÓS.PORQUE DÁI VEM AS CONSEQUÊNCIAS COMO CITADAS NOS EU TEXTO.
NO TEXTO TD ACABOU BEM PORQUE ELA ACORDOU PRA SUA PRÓPRIA VIDA COM A DECEPÇÃO QUE TEVE.MAS PODE ACONTECER DE PESSOAS QUE PASSAM UMA VIDA TODA EM FUNÇÃO DE CUIDAR DOS OUTROS E ESQUECEREM DE SI,E DAÍ UM FRUSTRAÇÃO.BEM MAS SEMPRE É TEMPO DE SE VALORIZAR E TENTAR SER FELIZ CONSIGO MESMO DEIXANDO TRANSPARECER UMA LUZ PRÓPRIA EXISTENTE.
PARABÉNS AMIGO PERFEITO.AMEIII...BEIJOS NO CORAÇÃO...DEUS CUIDA DE TI E TE ABENÇOA SEMPRE...

Selma N. A. disse...

Na verdade, não são só as mulheres que correm o risco de não se amarem primeiro, para depois amar as outras pessoas.
Existem homens que não tem noção do que é gostar de si mesmos e se entregam à rotina.
Muitos perdem a jovialidade mesmo ainda jovens.
Quando estão em casa com a familia, isto quando estão, dormem o tempo todo, parecem querer fugir da realidade dormindo, isto sem falar naqueles que se afogam na cerveja e apagam deitados no sofá e pior, barrigudos, desleixados, sem se quer imaginar que suas mulheres podem estar insatisfeitas com o exemplo de homem que tem em casa.
Em ambos os sexos, em qualquer situação, as pessoas precisam gostar de si mesmas para poder viver plenamente a vida e fazer aqueles que estão à sua volta quererem estar por perto por causa de sua luz.
Quando voce citou a "verdadeira luz" eu fiquei pensando, onde foi que meu marido a perdeu.
Onde foi parar aquele homem ativo, com garras para lutar pelos seus sonhos e por me fazer feliz.
Voce é perfeito no que escreve e fala de situações comuns nas vidas das pessoas, mas para falar de sentimentos humanos, não conheço ninguem igual!
Parabens pela sensibilidade, pela clareza com que você nos envia suas mensagens de reflexão!

Um beijo de sua mais nova fã!

Celia Cordeiro disse...

São inumeras as circunstãncias que levam as pessoas a esquecerem de si mesmas e muitas vezes não podemos culpa-las, porque são envolvidas pelo "sistema", pela sociedade ditadora que impõe suas regras de comportamento.
São tantas as pessoas que conheço que vivem da maneira que sua personagem Maria.
Vivem para os outros sem se lembrar de si mesmas.
Elas se anulam achando que estão fazendo um bem para maridos e filhos, mas muito pelo contrário.
Elas estão cavando suas próprias sepulturas em seus relacionamentos.
É imprescindivel que se goste de si mesmo, caso contrário, não se vive, apenas se vegeta e Deus não nos fez para agirmos como tal.
Que seu conto seja um alerta, tanto para as mulheres, quanto para os homens, pois amar é preciso, mas amar com conciencia de que em primeiro lugar temos que gostar de nosso eu interior.

Um beijo grande e meus parabens!

Maria Clara R. S. disse...

Nada como poder ler seus contos, poder refletir e muitas vezes nos enxergar neles, como quando se olha num espelho e quando isto acontece, não pode haver maior sinal de algo esta errado.
Não tenho vivido, eu vivi a vida dos outros e só agora caio em consciencia de que tudo de ruim que tem acontecido em meu ralacionamento é porque eu, há muito tempo, deixei de gostar de mim.

Perfeito como sempre!

Tania Gianni disse...

Não se pode achar que estamos fazendo o bem para as outras pessoas esqueecndo de nós mesmos.
Só alguem como você para publicar um texto de tamanha profundidade!

Bjo!

Flavio Militello disse...

Caro José,
Como sempre voce aborda temas que envolvem sentimentos humanos e o faz com maestria.
Como um homem que sou, muitas vezes sinto falta da mulher com quem me casei a tempos atrás.
As circunstâncias da vida nos pregam peças que se ficarmos desatentos a elas pode acabar com nossos relacionamentos amorosos.
Sei que não posso querer que o tempo tivesse parado e que minha esposa fosse ainda a jovem com quem me casei, apenas sinto falta de ver nela um pouco mais de amor próprio, que ela se cuidasse mais e que vivesse na expressão da palavra o que não acontece na verdade.
Ela é uma excelente esposa, cuidadosa, zeloza em todos os assuntos pertinentes à familia, mas vive apenas em função disto.
Muitas vezes eu tentei alerta-la, tentei dizer a ela que precisava se atualizar, conhecer novas coisas, sentir novos ares, conhecer novos rumos, até mesmo voltar a estudar.
Contudo, ela de uma forma que não compreendo prefere se doar de corpo e alma a todos nós e se esquece dela mesma.
Queria muita que ela se divertisse, que ela fosse a um cinema, ao teatro, ao cabeleireiro, pelo menos de vez em quando, mas nada, ela continua levando a vida de sempre e sei que ela acha que esta correta em sua maneira de ser.
Só Deus sabe que do mais fundo de meu coração eu gostaria que ela participasse mais da vida social, não só comigo, mas com as outras pessoas, mas por mais que eu insistisse ela nunca mudou e acho que não vai mudar.
Não penso em nenhum momento numa separação, mas sei que sempre haverá uma lacuna a ser preenchida por algo que sei que nunca vai acontecer.
Nossos filhos já são adultos, são solteiros e moram ainda conosco, não dependem mais de cuidados especiais, mas ela age como se eles ainda fossem crianças em todos os sentidos.
Espero sinceramente que um dia um milagre aconteça e ela possa enxergar o engano que esta cometendo e assim possa se dedicar a ela mesma, me fazendo feliz por ve-la sentir-se bem consigo mesma.
Não é a toa que admiro seu trabalho, que admiro o poder que voce tem de enxergar no fundo de nossos corações e que Deus te bendiga por isto.
Seu espaço é como um confessionário, seus fãns, amigos e leitores falam com você de uma forma que não se vê em outros Blog de escritores e este é o seu grande diferencial.
De minha parte te agradeço por estes momentos de desabafo, coisa que eu estava precisando muito, mas infelizmente, não tinha com quem falar.
Sucesso José, é o que te desejo do fundo do coração!

Paulinha disse...

Querido, demorei mas vim deixar minha marquinha em seu post!
Você me conhece e sabe o que penso da maneira como meu pai encara a vida.
Que eu odeio o jeito que ele tem de sempre se deixar em ultimo plano.
Queria muito que ele fosse mais ativa, mais paticipante e adoraria ve-lo feliz consigo mesmo.
Pena que entra ano e sai ano, sempre que esta em casa, fica deitado no sofá da sala, com sua cervejinha do lado e assitindo TV.
Sei que minha mãe, principalmente ela, gostaria que ele mudasse e se cuidasse mais para ela e para a familia.
Como disse a Selma, não são só as mulheres que deixam de se amar, os homens tambem e as consequencias, podem ser as mesmas de seu conto querido!
Beijos!
Amo você!

Beto SBC disse...

Meu amigo José, sempre colocanto em pauta assuntos que atingem a maioria das pessoas e posso dizer que estou vivendo uma situação muito parecida.
Vivo com uma pessoa, da mesma idade que eu, mas quando você olha para nós dois, tem a impressão de que ele é muito mais velho que eu.
Já não vejo mais em seus olhos aquele brilho de quem tem metas na vida, de qum quer alcançar sua realização pessoal.
Antes tinha um corpo fabuloso, eu diria escultural, mas hoje, há uma enorme barriga que só tem a tendencia de aumentar mais.
Gosto dele, mas sinto falta de "vida" nele.
Acho que é um mal que atinge a muitos ao redor do mundo e infelizmente estou no meio destes muitos.
Já tentei de tudo, mas ele não muda, penso em ameaçar ir embora, em pedir que ele vá embora, mas quando me lembro dos momentos maravilhosos que vivemos juntos eu volto atrás.
Talvez eu e ele estejamos deixando de viver de formas diferentes, o que nos difere e muito, é que eu tenho amor próprio e cuido tanto de meu corpo, quanto de meu eu interior.
Parabéns pela abordagem deste assunto e obrigado por me dar a achance de fazer este comentário e nele expor meus sentimentos.
Beijão amigo!
Que Deus te proteja de todos os males do mundo!

Julio Soares Jr disse...

Impecável!
A cada conto, uma mensagem de alerta sobre como nós nos comportamos perante a vida e tudo que nos rodeia!
Congratulações cariocas!

Emilia Hirata Wong disse...

Jose, sempre adorei ler tudo que voce escreve e a cada dia mais e mais eu acho que voce não existe, que não é deste planeta pois é quase impossivel acreditar que um ser humano possa ser como voce.
São tantas as qualidades que lhe posso atribuir, mas o que mais me chama atenção em tudo que voce escreve é que em cada texto eu sinto um pouco de voce.
Sei que não se pode confundir personagem com uma pessoa do mundo real, mas nos textos do Autor, José Araújo, existem tantos sentimentos que me tocam profundamente, que fico olhando para suas fotos publicadas em vários sites onde tenho lido seus trabalhos e em cada uma, vejo um traço de bondade, de pureza no olhar que são balsamos para nossas mentes tão acostumadas à maldade, à mesquinhês.
A foto onde você representa um anjo, com aquela luz incidindo sobre sua cabeça é a que para mim mais representa voce.
O titulo "Dentro de mim mora um anjo" é tudo que nós todos gotariamos de acreditar que seja verdade.
Neste conto, onde voce fala do amor próprio, fui especialmente tocada porque há muito deixei de me amar para amar os outros, mas vejo que me anganei, se não amava a mim mesma, como poderia amar alguem?
Obrigada por me alertar. por me fazer enxergar de uma forma que só voce poderia fazer que preciso mudar enquanto é tempo, caso contrário nunca serei plenamente feliz e consequentemente nunca farei ninguem feliz.
A luz que voce menciona existe sim porque hoje lembrando de como eu gosto de ficar perto das pessoas que estão sempre de alto astral, percebi que eu gosto mesmo é de sentir o calor de sua luz.

Um beijo meu querido e amado escritor, meu anjo amado que surgiu do nada, enquanto eu navagava neste imenso mar da rede mundial!

Sua fã que te adora,

Gloria Meirelles disse...

Querido José, estive em viagem pelo sul visitando alguns parentes mas não me esqueci de você.
Como sempre você aborda assuntos que envolvem vários aspectos dos relacionamentos humanos e o que mais admiro em seu trabalho, é que todos os que aqui comentam, o fazem de forma aberta, de uma forma que muitas vezes não se faz pessoalmente e isto é inédito por muitos fatores.
Hoje com a idade avançada, vejo a vida de uma outra forma, encaro a vida a dois de uma maneira que não encarava quando tinha meia idade.
Houve uma época, como já comentei antes ,que eu e o Oswaldo tivemos alguns problemas por causa de sua ausência em nossas vidas por seu excesso de trabalho.
Naquela época, por algum tempo eu esqueci de mim mesma, não me cuidava, me dedicava unicamente aos filhos e ao lar, e isto aos poucos foi me deixando deprimida.
Contudo, com a mudança de comportamento do meu marido com relação à sua ausência, de alguma forma, eu ganhei ânimo e reagi.
Hoje ainda cuido, não só dos filhos, já casados, dos netos que vieram e do Oswaldo, mas em primeiro lugar eu cuido de mim.
Com esta atitude, percebi que tudo em minha vida melhorou, e muito, ao ponto de poder dizer que foi mesmo um milagre a minha tomada de consciencia, com relação ao meu amor próprio.
Sua publicação é de utilidade pública sem dúvida nenhuma e espero que muitas outras pessoas possam ler este seu conto, escrito com tanta propriedade, por um coração que só você tem.
Um beijo e um abraço carinhoso desta que acima de tudo é sua fã ardorosa, e que não se cansa de elogiar sua literatura meu amigo!

Gloria Meirelles

João Cardoso Jr. disse...

Há dentro de nós uma infinidade de sentimentos e sensações,que se não compreendidas,podem nos fazer sofrer demais em nossas vidas.
Uma coisa eu aprendi desde cêdo, aprendi que é preciso acima de tudo de amor próprio, que é preciso se valorizar para que possamos enxergar nas outras pessoas, o que elas tem de bom dentro de si e assim poder compreende-las e ama-las como se deve.
O que voce escreve é a vida em forma de palavras e quem disser que não, certamente estará como se dizia antigamente, "tentando tampar o sol com a peneira".
O que você é real, é o que ocorre no dia a dia das pessoas, quer elas admitam ou não, são fatos da vida.
Parabens pela sua arte e pela sua psicologia profunda da vida que permite que você enxergue o que muitos passam uma vida inteira sem sequer ver.

Abraços e tudo de bom para você é o que lhe deseja este teu leitor assiduo, não só aqui como no Uol de longa data.

Julio Cesar disse...

Nada como refletir lendo seus contos caro José!

Às vezes leio e releio vários de seus contos que por sinal são maravilhosos e sempre tiro mais algum proveito de suas palavras sempre cheias de insentivo à fé, ao amor, à conciencia de que podemos ser felizes de verdade, que a felicidade não é uma utopia e isto meu caro, não há dinheiro no mundo que pague.

Somente Deus pode lhe dar toda a proteção e bençãos que você merece por ser um ser humano prá la de especial em nossas vidas.

Abçs e obrigado por todo o bem que me faz com sua maneira de escrever unica e que me faz uma massagem profunda na alma e no coração!

Débora T. Mendes disse...

Uma semana ser ler seus contos e parece que falta algo dentro de mim!

Fiquei feliz ao receber o convite para ler seu novo conto e como sempre eu adorei.

Obrigada querido por se lembrar de seus leitores todas as semanas e saiba que para mim, isto é algo que me faz sentir importante em sua vida, em seu trabalho.

Sei que voce adora receber nossos comentários e que eles sempre são lidos na integra, pois como voce mesmo disse antes, tudo que deixamos registrado em nossos comentários é sempre muito importante para voce e seu trabalho como escritor.

Me sinto orgulhosa de poder com minhas palavras colaborar para que seu trabalho nos toque cada vez mais os corações.

Beijos querido!

Amo muito estar aqui!

Diana disse...

Bom, demorou mas eu voltei e vejo q vc continua o mesmo, sempre c suas mensagens maravilhosas de otimismo, auto-estima, amor próprio, etc, etc e etc....
O fato é que seja qual assunto for, vc fala de uma maneira única, q só vc mesmo é capaz... e é por isso q sou tua fã de carteirinha, adoro td q vc escreve, afinal aprendi c vc a dar valor a muitas coisas em minha vida q antes eu "olhava de lado". Te adoro e te admiro demais.
Um abraço e um beijo c meu carinho de sempre!

Alvaro Garcia disse...

Um escritor que a cada dia encanta e ganha os corações dos leitores, pela simplicidade com que escreve seus contos e pelo conteudo de seus textos, sempre tão cheios de mensagem para reflexão.
Este é você José e o seu "Em busca da verdadeira luz", é mais uma de suas belas obras dignas de serem lidas em todas as linguas, em todos os cantos do mundo, pela qualidade impar e pelo conteúdo tão importante.
Abração querido e sucesso em todas as àreas de sua vida!
Seu amigo, leitor e fã de sempre!

Elton Monjardim disse...

É espetacular a maneira como você tem a atenção e carinho de seus leitores caro José!
O conteúdo de seu Blog é absolutamente maravilhoso, um recanto cheio de mensagens positivas, de reflexões, onde muitos encontram em seus textos as respostas para sentimentos e situações que os afligem, além do que, mesmo que o leitor não se enquadre em nunhuma das situações vividas pelos seus personagens, as suas estórias são sensacionais no que diz respeito ao conteudo pra de humanitário.
Parabens pelo trabalho que faz aqui e não perca tempo, junte todos os seus contos e publique um livro solo para o deleite de seus fãns e leitores que tanto o admiram!
Sorte, sucesso e muita garra a você!

Leonardo disse...

Você tem um quê que encanta a gente cara!
Minha vontade após ler seus contos, é te encontrar pessoalmente, te abraçar e poder sentir sua energia, seu calor, sua vibração e sua aura de luz junto ao meu corpo!
Continue assim e espero que Deus permita que um dia ,eu possa ve-lo pessoalmente para poder dizer olhando em seus olhos, o quanto voce tocou meu coração!
Beijão cara!
Me apaixonei por você!

Rodrigo G. disse...

Simpatico, humilde, encantador e com um jeito que só você tem, chegou vindo do nada e me deixou simplesmente pasmo com tudo que li por aqui!
É gratificante a gente saber que ainda existem pessoas como você e isto, só faz com que a gente queira estar ao teu lado, para receber um pouco de sua luz interior.
Cara, você é demais!
Nunca encontrei pessoalmente um escritor em minha vida ates de você, mas espero que ajam muitos outros escondidos por ai, com pelo menos um pouco do carisma, da magia que há em você!
O Mundo precisa de pessoas como você e existem muitos corações que como o meu, procuram ha muito tempo ter a chance que eu tive!
Te ver na meinha frente, foi uma coisa que eu não esperava, mas quando percebi que era você naquela fila de banco, não pude perder a chance de de cumprimentar.
Amei te conhecer, ver que você é tudo que deixa transparecer em seus textos e saiba que nunca mais vou te esquecer!
Certas coisa não tem explicação, quando tem que acontecer, acontecem, só depende da gente saber aproveitar e fazer com que elas durem.
Beijão meu querido escritor e agora amigo do coração!
Espero sinceramente te encontrar de novo, com mais tempo, para eu poder sentir mais sua luz!

Eder disse...

Puxa!
Que declaração heim?
Vou ficar com ciumes por não ter tido a mesma chance, mas espero que se lembre que aquele café ainda esta de pé, se quiser, é só ligar!
Amo voce e tudo que voce escreve e mais, não perdi as esperanças de ainda poder estar com você.

Henrique disse...

Exatamente como a gente lê em seu perfil do Orkut é o que encontramos por aqui.
Você satisfaz a todos os gostos, a pessoas de todas as idades, de todos os sexos e preferencias sexuais.
Parabens por ser um ser tão especial José e nunca deixe de ser assim como é, porque é assim que todo amam você!

Beijão cara!

Malu disse...

Lindo!
E real demais pra ter graça..
Depois que tive meu filho, desisti da escola, e deixei o trabalho por quase 1 ano.
Estava atingindo um grau de depressão tão profundo que ja estava cm a maria..
mas salvei-me sozinha e a tempo!
Depois que voltei a trabalhar sinto-me renovada...
É triste ver cm nos acomodamos a uma vidinha mais ou menos...
é preciso reagir!

Texto fabuloso
amei
passa la no meu cantinho!
besitos